EFI : European Forest Institute
Support EFIATLANTIC
Pinède
La rede para o desenvolvimiento sustentavel das florestas cultivadas do sul da europa.

projet_GERENS
français espagnol portugais english

Gerir o território em conjunto

Resultados do projecto

Gestão sustentável das florestas: um conceito, pontos de vista…

Gestão sustentável das florestas e concertação
Artigo Médiaforest

Percepção da floresta

Resultado dos inquéritos feitos durante os encontros
Artigo de Jean-Paul Guyon e al.
Relatório final

Os ateliers para a gestão sustentável da floresta de Landes de Gascogne - IEFC / Fontation de France

Desde 2002 o Instituto Europeu da Floresta Cultivada (IEFC) organiza uma série de ateliers de reflexão sobre a ordenação sustentável do maciço florestal de Landes de Gascogne. Estas jornadas desenrolam-se sob a égide da Fundação de França , dentro do contexto da sua convocatória a projectos: "Juntos para gerir o território".

Considerando que o ordenamento sustentável do espaço florestal passa pela partilha de informação entre os actores locais e pela compreensão reciproca das suas motivações, o IEFC propõe aos gestores (silvicultores, agricultores, membros eleitos) e aos utilizadores da floresta (caçadores, pescadores, caminhantes, naturalistas, crianças,amantes de VTT, etc.) de exprimirem as suas aproximações e as suas expectativas em matéria de gestão florestal e de desenvolvimento sustentável da sua região.
A especificidade da componente empresa neste projecto é a da consultação dos agentes que raramente são representados nas instâncias de concertação florestais tradicionais.
Organizados em volta de temáticas emblemáticas sobre o ordenamento sustentável do espaço rural (gestão da agua, economia do desenvolvimento rural, diversidade biológica, passatempos na floresta, etc.), os ateliers da gestão sustentável das florestas são a ocasião para os seus participantes de pôr sobre a mesa os pontos de aproximação e de diferença ligados às diversas utilizações e de propor as estruturas de conservação a construir, os utensílios a ter em mão e os meios necessários para a sua implementação.
Ao mesmo tempo, o recolha a nível local das expectativas e das percepções dos agentes em relação às florestas e à sua gestão permitira uma melhor commpreensão da pertinência dos indicadores de gestão sustentável das florestas dentro do seu contexto natural, sócio-económico e politica regional.

Os encontros desenrolam-se essencialmente no lugar de estudo sobre a gestão sustentável das florestas e a sua implementação pelo IEFC e o Observatório da Floresta de Aquitaine. Esta vasta zona florestal cobre cerca de 50,000 ha do litoral atlântico e do vale de Leyre a nível de Mimizan.

Calendário dos encontros:
  • 7 de Março de 2003: Atelier "Agricultura/Floresta" em Pissos
  • 12 de Março de 2003: Atelier "Gestão florestal e diversidade biológica " em Saint Paul de Born
  • 6 de Abril de 2003: Atelier " Randonnée pédestre en forêt" em Commensacq
  • 25 de Abril de 2003: Atelier: "Colectividades e ordenamento florestal sustentável" em Mimizan
  • 27 de Abril de 2003: Atelier "Ciclo-turismo na floresta" em Gujan-Mestras
  • 11 de Junho de 2003: Atelier "Descoberta do meio florestal de Landes" com um centro de actividades ao ar livre de Landes
  • 18 de Junho de 2003: Atelier " Descoberta dos agentes da gestão da floresta de Landes" com um centro de actividades ao ar livre de Landes

Atelier Escolar

Os escolares e a gestão sustentável

Actividades Colectivas

Síntese

Atelier Biodiversidade

Síntese

Agricultura e floresta

Síntese

Atelier caminhadas

Em primeiro lugar constatamos que o anuncio de um passeio florestal tem uma recepção, à priori, bastante favorável, e a sua mobilização é bastante significativa. Durante cada caminhada eram efectuadas paragens temáticas que suscitavam um vivo interesse por parta da maioria dos participantes. No entanto é claro que o conhecimento do meio florestal não era igual para todos os participantes, alguns ignoravam mesmo que a maior parte da floresta pertence a particulares. Para além de alguns proprietários florestais que encontrámos, as pessoas mais interessadas eram os "naturalistas da erva" que têm normalmente um conhecimento muito superficial do meio natural, mas que têm um verdadeiro interesse. Para muitos o nome Natura2000 tem o mesmo valor que os monumentos protegidos ou os sítios protegidos como uma garantia de protecção do meio natural. E também interessante de verificar que as pessoas não reagem a grandes cortes que atravessam a floresta, mas os cortes para fins rurais causaram alguma inquietação. No seu todo a integralidade das utilizações do pinheiro (lenhoso e não lenhoso) são bem conhecidas. A titulo individual os adeptos das caminhadas posicionam-se mais como espectador do que como agente do meio florestal. O conceito de gestão sustentável, com a sua dimensão sócio-ambiental e a certificação florestal são-lhes praticamente desconhecidas. A definição tradicional da floresta, corta-se e planta-se, satisfaz-lhe perfeitamente. No entanto, a titulo colectivo, a Federação dos adeptos das caminhadas procura diversificar as parcerias para se implicar nas reflexões sobre o ordenamento e participar em todas as acções relativas à sua actividade.