Projecto FORSEE

pilot zones network

Contexto:

Os indicadores para o desenvolvimento sustentável das florestas foram desenvolvidos dentro do contexto de uma acção " up-down ", na ocorrência das conferências inter-ministeriais, e revelaram-se frequentemente difíceis de avaliar no terreno.
Foram retomadas, dentro do contexto dos processos de certificação e de regionalização, as politicas florestais europeias.
Várias regiões que hesitam entre os diferentes sistemas de certificação lançaram os procedimentos de comparação FSC e PEFC.
A procura de uma perícia é forte, e a ciência não considera os indicadores como objecto de investigação.
Tornou-se indispensável institucionalizar um processo de reflexão sobre a pertinência e a realidade do monitoring florestal fazendo colaborar os florestais e os científicos em volta de acções piloto. Rapidamente foi notado que o problema se punha mais à escala de uma região florestal que de um povoamento , porque a ciência florestal esta já dotada de numeroso utensílios de diagnóstico à escala da parcela ou da propriedade florestal.

Objectivos:

Um trabalho de desenvolvimento comum a 9 regiões para

E ainda um objectivo secundário de fazer um balanço sobre os observatórios florestais.

Os estudos científicos regionais

  O objectivo destes estudos é de gerar os conhecimentos ou utensílios necessários para fazer a estimação dos indicadores em toda a rede. Estes estudos são geralmente centrados sobre um critério (tipo de indicador).
Lista dos estudo científicos regionais
Região
Espécie dominante Estudo aprofundado dos indicadores
Irlanda Pícea - de - Sitka C1 : Stock de carbono
Aquitaine Pinheiro Bravo
C4 : Biodiversidade
País Basco
Pinheiro Radiata
C5 : Função protecção dos solos
Cantábria Eucaliptos, Faia
-
Navarra Hêtre C1 : Stock de carbono
Castilla y Léon
Álamo
C2 : Saúde das florestas
Galiza Pinheiro Bravo Eucalyptus Globulus C1 : Carbono
Portugal Norte
Pinheiro Bravo, Eucaliptos C6 : Economia do sector florestal
Portugal Centro Eucalyptus Globulus, Pinheiro Bravo
C1: Stock de carbono
Regiões associadas, Sítios financiados pelo INTERREG III A
Catalogne Pinheiro negro, pinheiro silvestre -
Midi Pyrénées Faia, Abetos



Características do projecto

O orçamento

  O orçamento global adoptado definitivamente na Carta de Outorgamento é de 3 086 790,40 euros tendo uma participação do FEDER de 58,34% ou seja 1 800 830,44 euros. A duração do projecto é de 3 anos a partir do dia 1 de Novembro de 2003.

A gestão do projecto

A gestão do projecto assenta nos seguintes orgãos:
O chefe de fila deste projecto é o IEFC. organigramme

Parceria

  Os diferentes parceiros que estão encarregues dos estudos nas zonas piloto são os seguintes:

Parcerias inter-regionais

0 Instituto Europeu da Floresta Cultivada - IEFC - Organismo gestor do projecto
2 União dos Silvicultores do Sul da Europa -USSE - Comunicação inter-regional

Zona piloto da Irlanda

3 Western Forestry Co-Operative Society Ltd.

Zona piloto de Aquitaine

1 Centre Régional de Propriété Forestière
4 Institut National de Recherche Agronomique - INRA (coordenador da zona)
5 Centre d'Analyse Politique Comparée Bordeaux 4 -CAPC

Zona piloto da Navarra

6 Viveros y repoblaciones (Coordenador da zona)
7 Associacion forestière de Navarre - FORESNA
forêt

Zona piloto do Pais Basco

8 IKT (Coordenador da zona)
9 NEIKER
10 Confederación de Forestalistas del País Vasco
11 Universidad del País Vasco

Zona puloto da Cantabria

8 IKT (Coordinateur de zone)
12 Association Forestière de Cantabrie - AFC

Zona piloto de Castilha e Leão

13 FG Universidad de Valladolid (Coordenador da zona)
14 Asociación de Forestalistas de Castilla y León (FAFCYLE)
15 Confederación Hidrográfica del Duero

Zona piloto da Galiza

16 Universidad de Santiago de Compostelle - USC Lugo (Coordenador da zona)
17 Association Forestière de Galice - AFG
24 Xunta Galicia

Zona piloto de Portugal Norte

18 Universidade Católica do Porto - UCP

Zona piloto do Portugal Centro

19 Instituto Superior de Agronomia- ISA (Coordinador da zona)
20 Escola Superior de Agronomia- ESAC
21 Estação Florestal Nacional -EFN
22 Federação dos proprietários florestais - CAP
23 Associação celulose de Portugal - CELPA