A Europa está a entrar na era da bioeconomia – Institut Européen de la Forêt Cultivée
IEFC Newsletter 2021 Juillet A Europa está a entrar na era da bioeconomia

A Europa está a entrar na era da bioeconomia

A Europa está a entrar na era da bioeconomia


Dois artigos recentes na Revista Nature, Abrupt increase in harvested forest area over Europe after 2015[AC1]  (Ceccherini et al., 2020)  e  Concerns about harvested area and biomass loss in European forests (Palahí et al., 2021)  abriram um importante debate sobre a bioeconomia baseada na floresta na Europa e o seu impacto na colheita florestal. O que é claro é que a colheita florestal aumentou 6% nos últimos anos  (FAOSTAT, 2019)  e  não os  69% como relatado por  Ceccherini et al. (2020). As diferenças de estimativa devem-se a uma série de fatores que, juntos, significam que as previsões  de  Ceccherini et al. (2020)  não são seguras:

1. Um dos erros mais importantes nas previsões deve-se à crescente sensibilidade dos   algoritmos de deteção de satélites e perturbações desde 2015. Esta sensibilidade acrescida significa que muitas operações florestais de pequena escala, como  desbastes  e pequenas clareiras, estão agora a ser incluídas como colheitas que foram perdidas antes de 2015. Significa também que a colheita ou perturbação dentro da floresta antes de 2015 poderia ter sido perdida nos dados de satélite nestas datas anteriores, mas teria sido detetada subitamente em 2015 e  representaria  um  aumento dos  níveis de perturbação.

2. Havia muitos exemplos de inclusão errónea de distúrbios naturais. Uma série de distúrbios em larga escala nas florestas europeias  no período após 2015 por causa do vento,  traças promissórias de pinheiros,  ataques de besouros, foram  erroneamente atribuídos à atividade humana  e  inflacionaram artificialmente as estimativas de colheita florestal.

3. A metodologia de alteração do mapeamento contando os pixels individuais nos dados de satélite e adicionando todos os pixels designados como perturbação para calcular a área total carece de  rigor estatístico e  pode produzir estimativas  tendenciosas.   Deve ser utilizada uma metodologia de amostragem estratificada  (Olofsson et al., 2013)  que explica tanto os erros de omissão (falsos negativos) como os erros de comissão (falsos positivos).

Em termos globais, estes fatores levaram à ideia falade que a colheita na Europa aumentou drasticamente desde 2015. Também  levaram  Ceccherini et al. (2020)  a atribuir esta aparente alteração   às políticas da União Europeia em matéria de bioenergia e promoção da madeira como fonte de bioenergia sem qualquer evidência que apoie essa conclusão.

O debate demonstrou uma série de pontos  importantes:

1. Medir e controlar as florestas  europeias é mais importante do que nunca. Em particular, é especialmente importante que adotemos uma abordagem consistente da monitorização florestal em toda a Europa  (Tomppo e Schadauer, 2008).

2. Os dados de deteção remota devem ser sempre verificados com outros dados, tais como medições terrestres ou  estatísticas  florestais nacionais (Wernick et al., 2021).  A utilização de dados de deteção remota sem provas corroborantes está aberta à  possibilidade de erros devido a uma interpretação incorreta de dados ou a distorções de amostragem.

3. As florestas plantadas continuarão a fornecer uma quantidade crescente de madeira e outras matérias-primas  no sector industrial europeu,  contribuindo simultaneamente para os  objetivos em matéria de alterações climáticas da União Europeia  (Comissão Europeia, 2018).

4. A procura de materiais lenhosos aumentará à medida que a sociedade avança para uma economia mais dependente da produção de matérias-primas sustentáveis com uma maior utilização de materiais à base de plantas; a chamada “economia verde”.  As florestas plantadas oferecem uma das poucas formas de satisfazer a  procura de uma forma consistente com a necessidade de   também atenuar os impactos das alterações climáticas  (Gardiner e Moore, 2014).

O papel das florestas plantadas e de alta produção está a tornar-se cada vez mais importante na economia europeia, tanto agora como no futuro. Apesar das preocupações com o impacto das florestas plantadas na biodiversidade e da sua vulnerabilidade a  diferentes  perigos, é evidente que, com um planeamento cuidado e  práticas de gestão adequadas, é possível aumentar a área e a produção de florestas plantadas  (Larsen et al., 2017)  beneficiando também o ambiente e com níveis de risco reduzidos (Jactel et al., 2017). O mais importante é uma compreensão adequada das interações complexas entre as florestas, a gestão, o clima, o ambiente e a  sociedade. O IEFC está numa posição única para ajudar a  desenvolver esse conhecimento  através da sua forte rede de parceiros e da sua ligação direta com o sector da silvicultura e dos produtos florestais.

Por: Barry Gardiner (IEFC)

Foto de Thomas Lambert, Unsplash


Ceccherini, G., Duveiller, G., Grassi, G., Lemoine, G., Avitabile, V., Pilli, R., Cescatti, A., 2020. Abrupt increase in harvested forest area over Europe after 2015. Nature 583, 72–77. https://doi.org/10.1038/s41586-020-2438-y

European Commission, 2018. Regulation (EU) 2018/841 of the European Parliament and of the Council of 30 May 2018 on the inclusion of greenhouse gas emissions and removals from land use, land use change and forestry in the 2030 climate and energy framework, and amending Regulation. Off. J. Eur. Union 19, 1–25.

Gardiner, B., Moore, J., 2014. Creating the Wood Supply of the Future, in: Fenning, T. (Ed.), Challenges and Opportunities for the World’s Forests in the 21st Century, Forestry Sciences. Springer Netherlands, Dordrecht, pp. 687–704. https://doi.org/10.1007/978-94-007-7076-8

Jactel, H., Bauhus, J., Boberg, J., Bonal, D., Castagneyrol, B., Gardiner, B., Gonzalez-Olabarria, J.R., Koricheva, J., Meurisse, N., Brockerhoff, E.G., 2017. Tree diversity drives forest stand resistance to natural disturbances. Curr. For. Reports. https://doi.org/10.1007/s40725-017-0064-1

Larsen, S., Bentsen, N.S., Dalgaard, T., Jørgensen, U., Olesen, J.E., Felby, C., 2017. Possibilities for near-term bioenergy production and GHG-mitigation through sustainable intensification of agriculture and forestry in Denmark. Environ. Res. Lett. 12. https://doi.org/10.1088/1748-9326/aa9001

Olofsson, P., Foody, G.M., Stehman, S. V., Woodcock, C.E., 2013. Making better use of accuracy data in land change studies: Estimating accuracy and area and quantifying uncertainty using stratified estimation. Remote Sens. Environ. 129, 122–131. https://doi.org/10.1016/j.rse.2012.10.031

Palahí, M., Valbuena, R., Senf, C., Acil, N., Pugh, T.A.M., Sadler, J., Seidl, R., Potapov, P., Gardiner, B., Hetemäki, L., Chirici, G., Francini, S., Hlásny, T., Jan, B., Lerink, W., Olsson, H., Ramón, J., Olabarria, G., Ascoli, D., Asikainen, A., Jactel, H., Lindner, M., Marchetti, M., Marušák, R., Sheil, D., Tomé, M., Trasobares, A., Verkerk, P.J., Korhonen, M., 2021. Concerns about reported harvests in European forests. Nature 592, 15–17.

Tomppo, E., Schadauer, K., 2008. COST Action E43 Harmonisation of National Inventories in Europe : Techniques for Common Reporting. Brussels.

Wernick, I.K., Ciais, P., Fridman, J., Högberg, P., Korhonen, K.T., From, A., Ceccherini, G., 2021. Quantifying forest change in the European Union. Nature 592, 13–14.