Genética para o resgate – Institut Européen de la Forêt Cultivée
Non classé Genética para o resgate

Genética para o resgate

Genética para o resgate

Gestão Florestal Sustentável num Mundo em Mudança – Uma Conferência para Concluir a GenTree

Membros do projeto GENTREE em frente à Universidade de Avinhão

O projeto GENTREE de quatro anos teve como objetivo melhorar a gestão dos recursos genéticos, melhorar o conhecimento das diversidades existentes e caracterizar o material genético disponível.

Este trabalho será utilizado para planear a conservação dos recursos genéticos a nível europeu e para apoiar os programas de melhoramento genético. A maioria dos esforços tem sido dedicada à coleta de amostras de DNA e informação fenológica de espécies arbóreas comuns de interesse em toda Europa: Betula pendula, Fagus sylvatica, Picea abies, Pinus pinaster, Pinus sylvestris, Populus nigra, Quercus petraea, Abies alba, Pinus cembra, Pinus halepensis, Pinus nigra e Taxus baccata. A maioria das apresentações feitas na conferência final tiveram como objectivo identificar a capacidade das várias espécies/províncias/famílias para lidar com o clima futuro, assumindo que este é mais seco e/ou mais quente.

Durante seu discurso de abertura, o coordenador do projeto, Bruno Fady, lembrou que a diversidade é um componente chave da resiliência dos ecossistemas florestais e que ela precisa ser avaliada não apenas entre as espécies, mas também dentro das populações de espécies arbóreas.

Numerosos estudos genéticos sobre todas as espécies listadas acima concluíram que os determinantes genéticos que explicam a capacidade adaptativa das árvores individuais são complexos; ao mesmo tempo, há uma grande parte do genoma com muitos loci envolvidos nos processos que explicam a boa capacidade adaptativa dos indivíduos e, ao mesmo tempo, a plasticidade e as características do local podem tornar a interpretação muito complexa. Consequentemente, a ligação entre diversidade genética e capacidade adaptativa não é tão clara. Por exemplo, um estudo grego que analisou amostras de todas as espécies GENTREE concluiu que o Pinus pinea com menor diversidade genética é a espécie mais plástica no grande gradiente climático estudado. Alguns estudos também confirmaram que a estrutura genética da população foi condicionada pela velocidade e modo de recolonização após as glaciações, mas também pela boa heterogeneidade local dos sítios, especialmente nas zonas montanhosas, onde os sítios quentes e secos podem ser usados para seleccionar populações interessantes.

Em relação à resistência a doenças bióticas, uma apresentação centrada no freixo concluiu que o enriquecimento assistido da população com mudas de genótipos tolerantes poderia melhorar significativamente a resistência dos povoamentos afetados pela deterioração dos freixos.

Um estudo baseado no IFN (National Forest Inventory) de A. Changenet sobre a mortalidade de árvores mostrou que para todas as espécies os maiores danos ocorreram na borda da área de distribuição, mas que, no entanto, estava presente em toda a área de distribuição da espécie, pondo em questão a teoria do desaparecimento de uma espécie simples na borda sul.

Um dos grupos de trabalho do projeto concentrou-se mais nas medidas tomadas nos países para avaliar a percepção e o benefício do trabalho genético para a sociedade.

Marcus Lindner fez uma apresentação mostrando que os atores têm pouco conhecimento de todas as medidas de apoio à adaptação em seus países e que onde há algum conhecimento, ele é considerado insuficiente. Ele concluiu que para uma adaptação bem sucedida das florestas europeias às alterações climáticas, é necessário compreender melhor a ligação entre as práticas de gestão e a dinâmica dos recursos genéticos florestais no contexto das alterações climáticas. Esse entendimento precisa ser comunicado aos atores e tomadores de decisão em diferentes níveis, desde serviços práticos de manejo florestal até a implementação de políticas nacionais.

A última apresentação foi um tópico proposto pelo pessoal do IEFC e teve como objetivo avaliar o benefício económico induzido pelo ganho genético, a fim de demonstrar o alto valor agregado dos programas de melhoramento genético para os proprietários florestais. Em toda a Europa, foram observados ganhos genéticos entre 7 e 40% no crescimento do pinho escocês e do pinho marítimo, como resultado de programas de melhoramento genético. Mas ao calcular este ganho ao longo da duração da rotação, o rendimento económico aumenta muito mais: até 60 ou 160%, dependendo dos locais e das estratégias de gestão consideradas.

Todos os vídeos das apresentações estão online, assim como os cartazes.

Autor: Christophe Orazio (IEFC)