Adaptação das espécies às alterações climáticas – Institut Européen de la Forêt Cultivée
Non classé Adaptação das espécies às alterações climáticas

Adaptação das espécies às alterações climáticas

Adaptação das espécies às alterações climáticas

A rede REINFFORCE apresentada na conferência “Gestão Florestal no Século XXI”

Em resposta à necessidade de aumentar a capacidade de adaptação e atenuação das florestas europeias aos efeitos das alterações climáticas, a conferência “A gestão das florestas no século XXI” reuniu peritos científicos em gestão florestal de toda a Europa para trocar e melhorar a compreensão do papel das florestas e da gestão florestal no contexto das alterações climáticas.

A conferência teve lugar no Instituto de Investigação do Impacto Climático de Potsdam e foi organizada pelos projectos de investigação FORMASAM, REFORCE, e FOEXCLIM.

Potsdam Institute for Climate Impact Research – PIK. Fonte: Hernán Serrano León

Mais de 100 cientistas participaram em debates sobre os efeitos dos extremos e perturbações climáticas, os desafios de gestão da resiliência das florestas e a contribuição da gestão florestal para a atenuação das alterações climáticas.

Durante esta conferência, Hernán Serrano-León apresentou a REINFFORCE em nome do IEFC. A REINFFORCE é uma rede estratégica de infra-estruturas concebida para fornecer provas empíricas aos gestores florestais e ajudar na selecção de material genético adaptado a um clima futuro que será diferente das condições actuais. Dado que as espécies e a gestão produtivas actuais podem ser inadequadas às condições climáticas futuras, a produtividade e a capacidade de mitigação das alterações climáticas das nossas florestas produtivas estarão em risco.

A apresentação incluiu também os primeiros resultados publicados sobre o REINFFORCE, baseados em pesquisas realizadas por António Correira com o apoio de C. Orazio. Os resultados da REINFFORCE demonstram que as espécies autóctones e exóticas enfrentarão diferentes soluções de compromisso no contexto das alterações climáticas entre os potenciais ganhos de crescimento e o aumento dos riscos de mortalidade. São necessárias mais investigações e análises experimentais a longo prazo para dar respostas sobre o potencial de substituição de espécies e fontes para a prestação de serviços ecossistémicos múltiplos.

Ref.: Correia HA et al. 2018. Early survival and growth plasticity of 33 species planted in 38 arboreta across the European Atlantic area. Forests 2018, 9(10), 630; doi:10.3390/f9100630

Autores: Henrique António Correia; Helena Maria Almeida; Manuela Branco; Margarida Tomé; Rebeca Cordero Montoya; Luisa Di Lucchio; Alejandro Cantero; Julio Casero; Cristina Prieto; Felipe Bravo; Nahia Gartzia; Ander Arias; Richard Jinks; Eric Paillassa; Patrick Pastuszka; María José Rozados Lorenzo; Javier Francisco Silva Pando; María Carmen Traver; Silvia Zabalza; Carina Nóbrega; Miguel Ferreira; Christophe Orazio

http://www.iefc.net/newsite/sitereinfforce/correia-2018-early-survival-and-growth-plasticity-of-33-species-planted-in-38-arboreta-across-the-european-atlantic-area/

Autor: Hernán Serrano-León