Que espécies selecionar para plantações florestais para reduzir o impacto das alterações climáticas - Instituto Europeu De Floresta Plantada
Artigos Que espécies selecionar para plantações florestais para reduzir o impacto das alterações climáticas

Que espécies selecionar para plantações florestais para reduzir o impacto das alterações climáticas

Que espécies selecionar para plantações florestais para reduzir o impacto das alterações climáticas

A maioria dos proprietários/gestores florestais está agora convencida de que o clima está a mudar e tem um impacto no crescimento e sobrevivência da sua futura floresta; neste contexto, a escolha das espécies é uma decisão crucial, e a compreensão do futuro impacto da interação clima/solo sobre uma determinada espécie é extremamente complexa. Estão a ser desenvolvidos muitos instrumentos e projetos para apoiar esta tomada de decisão quer a nível da UE quer a nível nacional, enumeramos abaixo algumas abordagens muito recentes baseadas em listas de espécies e mapas de distribuição.

2022 EU-Trees4F: um conjunto de dados para prever a distribuição futura de espécies arbóreas na europa.

Foi recentemente disponibilizado um novo conjunto de dados de distribuições previstas de árvores europeias sob dois cenários de alterações climáticas mostra incerteza com gamas de cores baseadas na diversidade de modelos utilizados. A iniciativa EU-Trees4F, coordenada pelo Centro Comum de Investigação (CCI) da Comissão Europeia e co-financiada pela FORGENIUS, oferece o modelo mais detalhado até à data de como a distribuição de 67 espécies arbóreas alvo poderá vir a mudar até 2095.

2021 O website CLIMESSENCE fornece não só mapas de distribuição, mas também ferramentas de correspondência climática e fichas de descrição de espécies para as partes interessadas.

O website CLIMESSENCE, disponível maioritariamente em francês, resulta de muitos projetos nacionais, até agora fornece mapas muito semelhantes aos produzidos com a ferramenta de correspondência climática  desenvolvidado projeto B4EST e aos obtidos com as ferramentas EU-TREES4F, mas integrando 59 espécies no mapa IKS.  Além disso, disponibiliza uma folha descritiva para 146 espécies que podem ser selecionadas de acordo com as suas características, como a tolerância à seca. Este sistema de selecção é uma característica única não fornecida na “fichier écologique” disponível para a Bélgica ou na base de dados de espécies de florestais  do Reino Unido.

Este trabalho, financiado por vários ministérios franceses e coordenado pela rede AFORCE, beneficia do apoio de todos os membros da AFORCE e está em constante evolução com fichas de descrição de novas espécies e novo mapa atualizado regularmente.

2021 As ferramentas da Forest Research  incluem ferramentas de correspondência climática

A Forest Research, juntamente com os membros do projeto B4EST, poderiam tirar o máximo partido das ferramentas de modelação existentes para criar uma ferramenta de correspondência climática interativa que pudesse permitir ao utilizador encontrar condições climáticas semelhantes às que se terão num futuro próximo de acordo com os cenários climáticos; é o utilizador que define as gamas e não é feita nenhuma suposição sobre a espécie e a distribuição.

2021 O guia para o plantador de árvores criado pela SKORGFORSK foca-se mais nos recursos genéticos em pomares de semente

O instituto sueco reexaminou todos os resultados de ensaios genéticos em relação a pomares de semente existentes, e desenvolveu um guia on-line para plantadores de árvores , onde apenas dando a localização do local, são listadas as proveniências recomendadas para o pinheiro bravo. Graças ao B4EST, está em preparação uma versão para o espruce europeu (Picea abies) que  pode ser plantado em toda a Escandinávia.

Esta lista não é exaustiva e demonstra que, no contexto de incerteza enfrentado pelos proprietários/gestores florestais, há muitas iniciativas para abordar a distribuição e selecção de espécies no contexto das alterações climáticas. São bastante semelhantes mas suficientemente diferentes para ilustrar a diversidade das abordagens, com mais ferramentas feitas à medida a nível nacional. Não hesite em partilhar connosco iniciativas semelhantes desenvolvidasno seu país.

Christophe Orazio (IEFC)