Comentário do IEFC sobre as conclusões do Conselho da UE sobre a nova Estratégia Florestal da UE para 2030. - Instituto Europeu De Floresta Plantada
Sustainability Comentário do IEFC sobre as conclusões do Conselho da UE sobre a nova Estratégia Florestal da UE para 2030.

Comentário do IEFC sobre as conclusões do Conselho da UE sobre a nova Estratégia Florestal da UE para 2030.

Comentário do IEFC sobre as conclusões do Conselho da UE sobre a nova Estratégia Florestal da UE para 2030.





O Instituto Europeu da Floresta Cultivada (IEFC), embora lamente que a nova Estratégia Florestal da UE não tenha sido desenvolvida em colaboração com os Estados-Membros e partes interessadas (o que também é salientado nas Conclusões do Conselho da UE), congratula-se no entanto com algumas das referidas conclusões sobre a nova Estratégia Florestal da UE para 2030, uma seleção das quais é destacada abaixo.

Nas suas conclusões, o Conselho salientou a necessidade de reconhecer, respeitar e manter a diversidade e as especificidades das florestas e dos ecossistemas florestais, a cobertura florestal, as práticas de gestão e silvicultura, a propriedade e a evolução cultural e histórica, salientando ao mesmo tempo que a nível Europeu, uma abordagem única poderia ser contraproducente.

Definições e indicadores relacionados com as florestas

O Conselho considera que se deve fazer pleno uso das definições e indicadores existentes desenvolvidos em processos internacionais e regionais, tais como FOREST EUROPE, para monitorizar o estado das florestas na UE.

Gestão florestal sustentável (GFS)

Para aqueles que trabalham com florestas plantadas há mais de 40 anos, é encorajador que o Conselho reconheça a GFS tal como definida pela FOREST EUROPE como um conceito dinâmico e evolutivo, fornecendo um quadro para equilibrar o fornecimento e a melhoria dos serviços ecológicos, económicos e sociais das florestas e/ou ecossistemas florestais, a fim de contribuir para as três dimensões do desenvolvimento sustentável e assim promover as múltiplas funções das florestas. Deve também notar-se que o Conselho salientou a importância da gestão florestal sustentável “como uma solução baseada na natureza” para assegurar a multifuncionalidade das florestas e dos recursos florestais, contribuindo simultaneamente para a mitigação das alterações climáticas.

As conclusões do Conselho convidam também a Comissão, em estreita cooperação com os Estados-Membros e outras partes interessadas, a realizar uma avaliação e a decidir em conjunto se são necessários novos indicadores, limiares ou intervalos para a GFS a nível da UE e qual seria o seu valor acrescentado. Além disso, estes limiares ou intervalos devem ser decididos e fixados a nível nacional ou regional.

O reconhecimento dos sistemas de certificação existentes também é notado na medida em que insiste que o valor acrescentado dos sistemas de certificação voluntária já existentes para a GFS deve ser um pré-requisito para qualquer consideração de introdução de novos sistemas de certificação, ao mesmo tempo que sublinha a importância de clarificar a necessidade de novos sistemas de certificação da UE “mais próximos da natureza” e o seu valor acrescentado demonstrável.

Sobre a bioeconomia

Ao sublinhar o papel que as florestas podem desempenhar na transição da UE para uma bioeconomia circular competitiva, sustentável e verde, o Conselho ilustra o seu empenho e apoio ao sector florestal e reconhece o papel que a produção e utilização sustentável de produtos florestais, quer de longa quer de curta duração (mas especialmente de longa duração), desempenhará ao contribuir para os objetivos climáticos e para esta transição sustentável e verde. Salienta também o importante papel das florestas da UE no combate à perda de biodiversidade.

Sobre os proprietários florestais e partes interessadas

Em nome das nossas redes de proprietários florestais, saudamos o incentivo do Conselho e apelamos à plena participação e diálogo construtivo entre todas as partes interessadas relevantes, incluindo proprietários e gestores florestais, nas consultas que conduzem à implementação bem como na implementação da própria estratégia.

O reconhecimento pelo Conselho dos papéis-chave que os proprietários e gestores florestais desempenharão na concretização dos objetivos da estratégia, em particular no apoio ao desenvolvimento das zonas rurais e como fornecedores de meios de subsistência e de serviços do ecossistema importantes, é extremamente bem-vindo e esperamos que este reconhecimento seja seguido na sua implementação. O convite aos Estados-Membros para explorarem as possibilidades e utilizarem incentivos inovadores e soluções financeiras para serviços do ecossistema, mitigação e adaptação às alterações climáticas, biodiversidade, incluindo soluções como a silvicultura próxima da natureza e a agricultura de carbono, limitando ao mesmo tempo a carga administrativa para proprietários e gestores florestais e administrações públicas, é também bem-vindo nestes comentários.

O Conselho também concorda com a necessidade de uma abordagem abrangente e de uma boa coordenação entre os organismos da UE relacionados com as florestas e lamenta que a estratégia não tenha em conta a dimensão internacional de vários fóruns internacionais e relevantes.

Embora o Conselho saúde o plano de plantar 3 milhões de árvores, também reconhece que este plano deve ser voluntário em cada Estado e que cada Estado deve manter a sua autonomia para decidir se o implementa, ou não, de acordo com os seus regulamentos de florestação. 

O papel essencial das florestas para a saúde e bem-estar humano é sublinhado e, em conclusão, o Conselho apela a uma maior consideração do papel das florestas e da gestão sustentável das das mesmas no contexto da abordagem “Uma Saúde”, bem como ao reforço da contribuição das florestas, áreas naturais e parques públicos para o bem-estar humano. 

Dr Nick Mc Carthy